20 junho 2008

Merda, ser ou não ser, a duvida da queda

Discurso Burocrático

Mombojó
Composição: Felipe S

"Encareceu o pedido e se livrou de uma sessão
amolando a faca e discutindo concessões
mesmo com todo mito eu me atiro
até ganhar no grito ou em sigilo
ostento todo lucro do infinito
eu sou o espelho do mundo e estou no vício
parece ser difícil mas não
tá todo mundo dançando a nostalgia do verão"
Eu danço há muito tempo a nostalgia da minha vida. Oh, como eu queria voltar no tempo, mudar meu passado e assim mudaria meu futuro, que hoje é presente. Presente esse que eu não gosto, não me agrada, mas a loja não aceita devolução.
Tento passar da melhor forma possível pelas barreiras da mundo, porém para mim, as barreiras são diferentes, são barreiras que a maioria acha normal e não passa por elas, pega um atalho, mas contribuem para fortalecer essas barreiras, de forma tal que eu bato e caio. Já estou machucado, calejado, de tanta queda.
A queda:
A Queda
Lobão
Composição: Lobão / Bernado Vilhena

Quantos sonhos em sonhos acordo aterrado
A terrores noturnos minha alma se leva
É um insight soturno é o futuro passando
Na velocidade terrível da queda
Na velocidade terrível da queda
Ante o colapso final a vertigem
próximo ao chão a penúltima descoberta
Que a lógica violenta das cores tinge
A velocidade terrível da queda
A velocidade terrível da queda
Como cair do céu é tão simples
Queda que a tudo e a todos transtorna
Ah! as bombas, a chuva, os anjos e seus loucos
O mundo todo na velocidade terrível da queda
O mundo todo na velocidade terrível da queda
Resvalando em abismos um pôr do sol furioso
Que a sensação de perda ao ver exagera
É o desespero vermelho de um apocalipse luminoso
Ejaculado da velocidade terrível da queda
Ejaculado da velocidade terrível da queda
Diante do medo um sorriso aeróbico
Nas bochechas a câimbra de uma alegria incompleta
Nada como um sorriso burro e paranóico
Para não perceber a velocidade terrível da queda
Para não perceber a velocidade terrível da queda
Fui ejaculado rapidamente no meio desse mundo conturbado!
Nada consigo, não sonho mais,
Feliz não me sinto,
Pelo contrário,
Me sinto um merda.
Merda,
tipo merda de boi,
daquelas que fedem, nunca agradam, não serve como fertilizante, ou seja, não prospera a vida,
e se alguém lhe pisa, não pede desculpa,
fala um belo palavrão e sai puto,
por que eu, a merda, que foi pisada, deixou um péssimo odor impreguinado ao seu calçado.
É, eu queria voltar no tempo onde eu viveria minha nostalgia. Antes de ser ejaculado no mundo. E assim não seria um merda, pois não existiria.

5 argumentos:

Daniel Augusto disse...

huahuahuahua...

que lindo!

me identifiquei muito com a musica...


ri litros*


^^"

muito bom!


bye

http://www.causagendi.blogspot.com/

Grilo Pensante disse...

nmossa...quem musica!

a proposito...só se aprende a andar de bicicleta cainda, e só não cai quem nao para
e só nao para quem pedala
e quem pedala cansa...balança...mas nao cai...

q analogiazinha fuleira neh...
rsrss xD

assim eh a vida

Thaíssa Vasconcelos disse...

Hahaha


que legal!

*.*Allegr!a*.* disse...

Experimente O GRITO do Lobão...
Foda.com!
Volto sempre.
beijos

Poeta das Nuvens disse...

rsrs.. otima musica...

realmente ser ejaculado nao eh facil... eh mais facil... hã... deixa pra lá..

otimo blog